Blog

Da Cosmologia à ONU

04/08/15

* Por Pedro Henrique Navarro

What’s up, ismartanos!

Depois do curso de verão em Stanford, fui para Berkeley, também na Califórnia, para participar de outro summer. Trata-se de uma MUN, ou Model United Nations (Simulação das Nações Unidas, em português), do Best Delegate. Os programas oferecidos pelo Best Delegate duram cerca de uma semana e acontecem em diversas universidades dos EUA. Participei do que foi organizado na Universidade da Califórnia em Berkeley (UC Berkeley, ou “Cal”, como é conhecida por aqui).

Antes de falar sobre a MUN em si, queria contar o que aconteceu após o fim do programa em Stanford. Pude explorar a chamada Bay Area. Passei um tempo na cidade de Berkeley, conheci alguns lugares nas proximidades, além, é claro, da incrível São Francisco! Fiquei apaixonado por São Francisco, e, como dizem com um gíria dessa região, a cidade é de fato “hella awesome!” (“muito maneira!”). É MUITO fácil ouvir pessoas usando essa gíria “hella” (“muito”) enquanto você anda por lá, tanto que acabei substituindo meu “very” por “hella” depois de um tempo, hahaha.

No começo não imaginei que o programa do Best Delegate seria tão incrível. Logo me surpreendi com o quanto ele tinha a oferecer e o quão prazeroso seria trabalhar com o pessoal. Meus colegas de quarto, ambos da Califórnia, eram extremamente divertidos e demonstraram muito interesse em tudo. E, claro, não poderia deixar de falar das nacionalidades: havia pessoas do Brasil (eu!), Peru, Rússia, Indonésia, Índia, Japão, China e EUA.

A rotina na UC Berkeley era composta por diversas aulas e atividades práticas durante o dia. Em nossa primeira aula, aprofundamos a discussão sobre o funcionamento e a importância da existência das Nações Unidas. Mais tarde, iniciamos o aprendizado de como funciona uma MUN de uma maneira meio engraçada. A sala foi dividida entre legumes e frutas (sim, estranho). Cada um deveria escolher qual vegetal representaria, e escolhi a melancia. Tivemos que elaborar um discurso sobre por que as frutas eram melhores que os legumes, e vice-versa. Depois tivemos de nos unir e preparar uma receita, de modo que agradasse a todos da sala, ou seja, frutas e legumes. Alguns colegas e eu nos reunimos, nos juntamos com alguns legumes e, bem, acabou que nossa receita foi a mais votada de todas! Pode parecer bobo, mas essa atividade ilustrou exatamente todo o trabalho em equipe e capacidade de gerenciar diferentes opiniões que uma MUN envolve.

No programa, trabalhamos em grupos que depois se uniam durante as aulas e atividades. Cada grupo tinha um counselor responsável, que era chamado de diplomacy fellow. Meu diplomacy fellow, Aaron, formado em Ciência Política pela Universidade da Flórida, é umas das pessoas mais motivadas que já conheci!

Um dos principais objetivos do Best Delegate é fazer com que desenvolvamos as habilidades de falar em público e de liderança; para eles, não é uma questão de ser o melhor em todas as habilidades ou ter o melhor desempenho nas simulações, mas saber tirar dos outros o que eles têm de melhor a oferecer, como um verdadeiro “best delegate”. Nosso counselor, com toda certeza, demonstrou muito vontade em fazer com que melhoremos em todos os aspectos, e foi fácil reconhecer nele a paixão por estar nos ajudando a atingir esse objetivo.

Sou um aluno mais do lado das Ciências Exatas, mas não pensei nisso ao estudar muita Geografia e Ciência Política enquanto passava horas pesquisando e trabalhando nos position papers que tínhamos de elaborar, onde falamos sobre o tópico que a simulação envolveria, a partir da perspectiva do país que representaríamos. Estudar Geografia assim foi, sem dúvidas, muito prazeroso. Definitivamente, apoio que as escolas incluam MUNs nos currículos.

Até o próximo post!

Newsletter

Cadastre-se para receber novidades sobre o Ismart.