Blog

Aulas inovadoras estimulam estudantes com Altas Habilidades/Superdotação

17/09/21

Lecionar para um estudante com Altas Habilidades/Superdotação demanda um profissional preparado tanto para identificá-lo quanto para fortalecer sua aprendizagem. São necessárias adaptações no currículo escolar para que as aulas sejam desafiadoras e não se tornem monótonas para seus cérebros ágeis e curiosos. O ensino baseado em metodologias inovadoras e criativas é uma solução para alcançar esses jovens e crianças com Altas Habilidades e envolvê-los.

Para ajudar nessa missão, separamos algumas dicas imperdíveis de como trabalhar com alunos com Altas Habilidades/Superdotação para que seus potenciais sejam aproveitados ao máximo. Confira!

Quem são os estudantes com Altas Habilidades/Superdotação?

Estudantes com Altas Habilidades/Superdotação são aqueles com facilidade de aprendizado, que rapidamente dominam procedimentos, conceitos e atitudes. Quem se enquadra nessa definição pode apresentar alto desempenho em:

  • Capacidade intelectual geral,
  • Aptidões acadêmicas específicas,
  • Capacidade de liderança,
  • Pensamento crítico,
  • Talento para artes;
  • Capacidade psicomotora.

Jovens e crianças com Altas Habilidades não precisam obrigatoriamente ter todas essas características combinadas, elas podem dominar um desses campos. Isso define o seu tipo de superdotação: intelectual, acadêmica, social, criativa, em um talento especial (geralmente artístico) ou psicomotora. Conhecer as habilidades do estudante revela o caminho certeiro na hora de preparar as aulas.

Como trabalhar com alunos com Altas Habilidades/Superdotação?

  1. Reconheça suas habilidades

Estudantes superdotados precisam de uma aula flexibilizada para que suas necessidades particulares sejam atendidas. É comum, por exemplo, que atividades que ocupem os outros alunos durante toda a aula sejam feitas em alguns minutos por um aluno superdotado. Por isso, a primeira dica para educadores é reconhecer os tipos de Altas Habilidades/Superdotação que o estudante possui para montar um plano de aulas efetivo, com um estímulo constante para que ele não se entedie e mantenha o interesse pela escola.

  1. Aposte em atividades complexas

Conhecimento escolar também é prática. Geralmente, as disciplinas evoluem de atividades mais simples até as complexas. Após avaliar o tipo de superdotação do estudante, entretanto, pode ser interessante lhe dar os exercícios mais desafiadores primeiro. Se ele não conseguir resolvê-los, não há problema nenhum, o educador oferece outros menos complexos até que seja capaz de fazer o anterior. Se o aluno conseguir terminar, pode optar por atividades que sejam de seu interesse e não atrapalhem os demais alunos.

  1. Cuidado com o excesso de exercícios

O profissional também deve se lembrar de que pode diferenciar o estudante superdotado, mas não é necessário apenas acrescentar mais conteúdos em seu currículo escolar. O ideal é adaptá-lo para atender melhor aos alunos com Altas Habilidades/Superdotação. Vale sempre abordar as disciplinas de forma desafiadora, com perguntas usando as expressões “como”, “porque”, “e se”, “deveria”. Percebeu que algum assunto lhe desperta um interesse pessoal? Peça que ele desenvolva algum projeto com esse tema durante a aula. Não é preciso apenas dar mais exercícios repetitivos aos alunos que terminam as atividades antes, esse tempo pode ser instigado de outras maneiras.

  1. Estimule o estudante à pesquisa

Ao invés de apenas dar informações ao aluno com alto desempenho, é interessante que o educador o deixe descobri-las. Criar atividades com pesquisas o mantém curioso, focado e, se feito de maneira criativa, desafiado. Além disso, elas podem levar ao estudante o conhecimento de diversos assuntos do mundo que nem sempre são explorados em sala de aula.

  1. Conheça os pais ou responsáveis do aluno superdotado

Por meio dos pais, o profissional consegue obter informações sobre os interesses particulares do aluno e sobre suas habilidades. Desse modo, é capaz de ampliar sua visão e criar aulas mais eficientes. Compartilhar as ideias também faz com que os pais se sintam parte do progresso educacional de seu filho.

Dica extra: não se esqueça!

Ao buscar estimular um estudante com Altas Habilidades/Superdotação, o conteúdo proposto pelo corpo docente pode ser mais atraente se for ministrado de forma criativa. Os alunos ficarão mais motivados se o proposto despertar sua curiosidade e desejo de aprender. Para muitos especialistas da área, a criatividade, inclusive, é um atributo essencial na educação, pois sem ela o processo de ensino não tem sentido, já que não há razão para aprender de forma repetitiva e monótona, principalmente quando se trata de alunos superdotados. Uma vez que estes requerem ensino diferente para desenvolver suas Altas Habilidades/Superdotação.

Nesta tarefa, a aprendizagem baseada em projetos pode ser um excelente método, pois parte da aplicação de conhecimentos por meio da criação prática de projetos que envolvem níveis elevados de pensamento crítico e criativo, além de enfocar a resolução de problemas do mundo real. Essa abordagem também funciona para avaliações, muitas vezes substituindo testes de múltipla escolha pela criação de vídeos, apresentações escritas ou orais, bem como representações artísticas. Além disso, a aprendizagem baseada em projetos é interdisciplinar e permite aos jovens e crianças superdotadas aplicarem seus conhecimentos em vários domínios, ao mesmo tempo que se conectam com suas habilidades e o mundo ao redor.

Gostou das dicas e quer continuar se mantendo atualizado? Continue acompanhando o portal do Ismart!

Fonte: Fernanda Hellen Ribeiro Piske, Tania Stoltz, Jarci Maria Machado, Carla Luciane Blum Vestena, Carla Sant’ana de Oliveira, Samarah Perszel de Freitas, Cristiana Lopes Machado (2016) Trabalhando com Criatividade de Alunos Superdotados por meio do Ensino Lúdico. Educação Criativa , 07 , 1641-1647. doi: 10.4236 / ce.2016.711167

Newsletter

Cadastre-se para receber novidades sobre o Ismart.